Sejam bem-vindos ao Chris Hemsworth Brasil! Somos um site criado por fãs, sem fins lucrativos, com o objetivo de informar. Não temos contato com Chris Hemsworth ou seus agentes e é proibida a cópia total ou parcial deste site. Todo o conteúdo é creditado aos seus devidos criadores.

Fonte: EW
Tradução e adaptação: Equipe CHBR.

Thor pode ser o deus do trovão e do relâmpago, mas quando se trata de sua vida amorosa, as faíscas não estão exatamente voando. O super-herói de cabelos dourados interpretado por Chris Hemsworth cresceu bastante desde que pousou na Terra em sua estreia no MCU em 2011. Ele salvou o universo inúmeras vezes, ele cresceu mais confiante como guerreiro e líder, ele até reconstituiu seu relacionamento conturbado com seu irmão (embora ele ainda não tenha perdoado Loki pela coisa da cobra).

Mas em Thor: Amor e Trovão que chega aos cinemas brasileiros no dia 7 de julho, nosso herói hercúleo ainda está incerto, ansiando por encontrar seu propósito neste universo amplo e caótico. E quando um rosto familiar retorna, empunhando um martelo igualmente familiar, Thor se vê enfrentando uma ameaça ainda mais mortal que Hela ou Thanos: um romance.

Amor e Trovão é o quarto filme solo de Thor, e pode ser sua aventura mais ambiciosa até agora. O diretor Taika Waititi ajudou a revigorar o herói asgardiano com o delicioso Thor: Ragnarok de 2017, e quando ele começou a pensar em uma sequência, tudo o que sabia era que queria empurrar o personagem para um território ainda mais inesperado.

“O que eu não queria era apenas fazer Ragnarok novamente, porque isso já foi feito”, disse Waititi à EW. “Eu precisava fazer algo mais interessante para mim mesmo para manter a coisa toda acesa e ter certeza de que estou me sentindo criativamente estimulado. Eu pensei, qual é a coisa menos esperada com essa franquia?”.

A resposta acabou sendo amor. Amor e Trovão é constituido de parte da extravagância dos super-heróis e parte comédia romântica, reunindo Thor com sua ex-namorada astrofísica Jane Foster (Natalie Portman). Desde que os dois se separaram, Jane provou ser digna de carregar o Mjölnir e assumiu o manto da Poderosa Thor. Ela se tornou uma heroína por direito próprio, com os músculos e cabelos loiros esvoaçantes para provar isso. (O filme em si se inspira nos influentes quadrinhos Mighty Thor de Jason Aaron e Russell Dauterman, que primeiro apresentaram Jane como uma heroína empunhando o martelo).

Boa parte de Amor e Trovão se baseia na última aparição de Thor em Vingadores: Ultimato, que encontrou o príncipe Asgardiano lutando contra a culpa e a dúvida. Em última análise, ele e seus colegas Vingadores triunfaram em sua batalha contra Thanos, mas parte dessa incerteza ainda permanece.

“Ragnarok parecia uma festa”, explica Waititi. “Foi bastante festivo. Este ainda é divertido, e tem momentos de exagero, mas tematicamente, é sobre algo um pouco mais profundo do que o último filme. Não é um filme sério e não é um drama, mas nós lidamos com ideias com as quais eu acho que muitos humanos lidam – temas universais sobre amor, perda e nosso lugar no mundo. Todo mundo meio que faz essa pergunta no filme: Qual é o seu propósito? Qual é a razão pela qual você é um herói e o que você faz quando tem esses poderes?”.

“É meio como um filme de crise de meia-idade, na verdade”, acrescenta Waititi. “Essa é a pergunta que fazemos a todos: estamos fazendo a coisa certa e estamos fazendo tudo o que podemos no mundo? Acho que agora, enquanto o mundo ainda está se recuperando dessa pandemia, é uma boa pergunta a ser feita. Tipo, ‘bem, estamos fazendo o suficiente para cuidar uns dos outros e cuidar de nós mesmos’?”.

Enquanto Thor procura por auto-realização, Jane não é o único rosto familiar que ele encontra. O próprio Waititi está de volta como o monstro do rock Korg, enquanto a Valquíria de Tessa Thompson abraçou seu novo papel como Rei de Asgard, governando o pequeno reino que seu povo fundou depois que o reino original foi destruído. De certa forma, segundo Waititi, Valquíria está prosperando como rei, mas passar do campo de batalha para a burocracia exigiu alguns ajustes. “Ela tem que fazer todas as coisas que eles nunca falam quando normalmente você tem que governar um povo, que é lidar com toda a infraestrutura, descobrir a economia e receber a visita de políticos de outros países”, explica ele. “Então, ela está gastando muito tempo sem lutar, e todas as suas novas batalhas têm a ver com governar seu povo”.

Amor e Trovão também apresenta vários recém-chegados, embora o diretor seja mais discreto sobre seus papéis. Christian Bale está interpretando o nefasto Gorr, carniceiro dos deuses, e Waititi elogia o desempenho de Bale, chamando-o de “muito formidável”. “Pessoalmente, acho que ele é provavelmente um dos melhores vilões que a Marvel teve em seus filmes”, acrescenta Waititi. “Ele é muito versátil”.

Waititi é ainda mais reservado sobre o papel de Russell Crowe como o deus Zeus, mas provoca que Crowe desempenha o papel de “uma maneira que você nunca viu Russell antes”.

“Considero Russell um amigo e esqueço que tenho alguns amigos que são realmente incríveis no que fazem”, diz Waititi com uma risada. “Quando eu estava no set com Russell, eu estava tipo, ‘Oh merda, isso mesmo! Você é Russell Crowe! Você é um ator realmente incrível!'”.

Se Ragnarok foi uma ópera espacial inspirada nos anos 70, Amor e Trovão tem uma vibe de aventura mais dos anos 80. Visualmente, Waititi diz que algumas de suas maiores influências foram “posters de filmes de coisas como Conan ou Beastmaster e a arte extravagante que você vê em vans em Venice Beach”. Mas, em última análise, ele diz que seu principal objetivo era entregar uma sequência tão grande, ousada e hilária quanto Ragnarok – se não maior.

“Acho que a maior diferença seria que foi minha primeira vez jogando no poço de areia da Marvel em Ragnarok”, diz Waititi. “Neste aqui, senti que tenho um pouco mais de experiência e sabia como filmar com muito mais eficiência”. E ele sabe que, às vezes, um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar.



O quarto filme da trilogia de Thor recebeu o nome “Thor: Amor e Trovão” (Thor: Love and Thunder) e pelo jeito não foi atoa. Em entrevista à Empire, Taika Waititi, diretor e corroterista do filme, pareceu um tanto confiante sobre seu trabalho e das suas escolhas.

“É um filme fantástico,” disse Waititi. “Eu não tento controlar meus filmes, ou como eles vão sair,” ele explica. “Eu meio que deixo eles aparecerem para mim. E com esse filme, eu estou tipo, ‘Ei, você é mais legal do que o que eu estava esperando fazer de início.’ Quanto ao tom, está exatamente onde eu sempre quis.”

O objetivo dessa vez, ele diz, era “um filme sobre amor, com super-heróis e no espaço. Eu queria abraçar essa coisa que eu sempre fui um pouco desdenhoso, e explorar essa ideia de amor, e mostrar personagens que acreditam no amor,” diz Waititi. “No papel, parece meio constrangedor pra mim, mas tem um jeito de fazer isso com personagens legais fazendo um filme legal, e ainda tendo uma coisa que nenhum fã quer num filme de super herói, que é pessoas falando sobre amor, e personagens se beijando.”

Como sempre, nem tudo é o que esperamos, e aparentemente isso também inclui a natureza do romance aqui. “Eu acho que a maioria das pessoas vai assumir que a história de amor é entre Chris [Hemsworth] e Natalie [Portman]. Eu não posso prometer que o que as pessoas pensam que vai acontecer nesse filme vai acontecer.” Finaliza.

Thor: Amor e Trovão chega aos cinemas brasileiros dia 07 de Julho de 2022.



Quase dois anos após seu anúncio, o filme “Escape From Spiderhead”, que agora recebeu o nome oficial de “Spiderhead”, finalmente ganhou uma data de estreia: dia 17 de junho de 2022. A novidade foi divulgada na manhã dessa quinta-feira juntamente com uma entrevista com o diretor Joseph Kosinski e o ator Milles Teller onde foram contadas novidades sobre o filme. Confira abaixo todos os detalhes divulgados.

Na trama de ficção científica da Netflix Chris Hemsworth interpreta o protagonista Steve Abnesti, um cientista que testa drogas em condenados numa remota e moderna penitenciária. A reviravolta: as drogas dramaticamente e imediatamente alteram o humor e as habilidades dos presos. O problema: nem todas as emoções realçadas pelos experimentos de Abnesti são positivas.

“Ele é o visionário genial por trás de todo o programa Spiderhead”, diz o diretor Joseph Kosinski sobre o personagem de Hemsworth. “Ele tem intenções nobres, mas há coisas mais obscuras à espreita por baixo da superfície com ele”

Entre os detentos da prisão está Jeff, interpretado por Miles Teller. “Ele é um cara que está lidando com um erro que ele cometeu em seu passado e tentando descobrir como ir além disso”, diz Kosinski, que também se uniu com Telles em “Only the Brave” (2017) e no próximo “Top Gun: Maverick”.

“Jeff trabalha em estreita colaboração, e meio que forma uma amizade com, Abnesti”, diz Teller. “Eu queria retratar esse sentimeto de confiança no começo para ajudar a mostrar que há uma verdadeira seriedade e sinceridade na parte de Abnesti para ajudar a todos. Ele gosta de Jeff, e acho que a dinâmica deles é realmente divertida de assistir”.

Felizmente, interpretar o cobaia encarcerado de Abnesti não deixou um gosto ruim em sua boca quando se trata do ator australiano.

“Ele tinha uma grande carga de trabalho neste filme”, diz Teller. “Sua agenda só permitiu que ele filmasse por algumas semanas e a Abnesti tinha muitos diálogos. Então eu fiquei muito impressionado com sua capacidade de saber todas as falas, aparecer a tempo, todas as regras do envolvimento adequado”.

A atriz de Lovecraft Country Jurnee Smollett interpreta outra detenta, Lizzy.

“Ela tem um passado mais misterioso”, diz o diretor. “Ela é atraída por Jeff, e eles têm um relacionamento muito próximo, mas onde ele meio que veste seu coração na manga, ela esconde sua dor com uma persona alegre”.

Escrito por Rhett Reese e Paul Wernick (cujos créditos incluem Zombieland e Deadpool), “Spiderhead” é baseado no novo historário de George Saunders “Escape from Spiderhead”. O filme apresenta uma trilha sonora com alguns dos hits pop favoritos de Abnesti, incluindo “She Blinded Me With Science” de Thomas Dolby e “You Make My Dreams” de Hall & Oates, com as músicas otimistas que atuam como um contraponto para os acontecimentos sinistros na tela.

“A ideia da trilha sonora veio enquanto eu estava sentado em uma cadeira de dentista”, diz Kosinski. “Eu estava ouvindo algo como Christopher Cross enquanto perfuravam o meu dente. Parecia interessante para Abnesti criar este ar relaxante e de paz em uma instalação que está fazendo algo muito mais sinistro”.

O elenco de Spiderhead também inclui Mark Paguio, Tess Haubrich, Angie Milliken e Stephen Tongun.



Foram muitas segundas-feiras de pura apreensão e ansiedade e muitos boatos de uma possível data, mas finalmente podemos dizer: O trailer de Thor: Amor e Trovão saiu!



Com muito foco em Thor e uma fotografia lindíssima, o trailer nos deu um gostinho do que está vindo por aí. Segundo uma sinopse feita pelo entrevistador Erik Davis (Fandango), o filme mostra Thor em uma jornada diferente de tudo que ele já enfrentou – A busca pela paz interior. Porém, sua aposentadoria é interrompida por Gorr, o Carniceiro dos Deuses (Christian Bale), que busca a extinção de todos os deuses. Para combater a ameaça, Thor (Chris Hemsworth) conta com a ajuda de Rei Valquíria (Tessa Thompson), Korg (Taika Waititi) e sua ex-namorada Jane Foster (Natalie Portman), que – para a surpresa de Thor – inexplicavelmente empunha seu martelo mágico, Mjölnir, como a Poderosa Thor. Juntos, eles embargam numa aventura angustiante para descobri o mistério da vingança de Gorr e parar ele, antes que seja tarde demais.

Além do trailer, também fomos agraciados com o primeiro poster oficial do filme, lindíssimo por sinal.



Thor: Amor e Trovão chega aos cinemas dia 08 de Julho de 2022.



Um fã site é construído a muitas mãos e, se você é apaixonade pelo Chris Hemsworth, essa pode ser sua chance de expressar toda sua admiração e amor por ele!


Vagas

Legender
Traduzir e legendar vídeos.
Requisitos Inglês avançado, conhecimento em algum software de edição de vídeo, ter +18 anos, proatividade e disponibilidade.

Tradutor
Traduzir conteúdo em texto e apoiar o legender com tradução de vídeos.
Requisitos Inglês avançado, boa escrita, ter +18 anos, proatividade e disponibilidade.

Giphy
Fazer gifs originais a partir de vídeos.
Requisitos Conhecimento em photoshop ou outro software de edição, ter +18 anos, proatividade e disponibilidade.


Se interessou por alguma vaga?
Então clique aqui e preencha nosso formulário para se candidatar.


ATENÇÃO: O Chris Hemsworth Brasil é um site feito por fãs e sem fins lucrativos. Nosso trabalho é voluntário e não oferecemos pagamento em dinheiro.



Em 2020, Chris Hemsworth foi anunciado como parte do elenco de “Mad Max: Furiosa” e, desde então, muito pouco foi divulgado sobre os detalhes da produção. Porém esse mês foi lançado o livro “Blood, Sweat & Chrome: The Wild and True Story of Mad Max: Fury Road” contando os bastidores do aclamado e sucesso de bilheteria “Mad Max: Estrada da Fúria”, onde o autor Kyle Buchana se aprofundou sobre o filme e também falou sobre “Furiosa”, o próximo filme que antecerá os acontecimentos de “Estrada da Fúria”.

Em um trecho do livro, foi confirmado que Hemsworth dará vida a um dos personagens principais da trama e que será um vilão que enfrentará Furiosa, personagem de Anya-Joy Taylor. Vale lembrar que desde o ano passado corriam rumores sobre Chris ser o vilão e que seu personagem se chamará Dr. Dementus, porém as informações referentes ao papel ainda não estão confirmadas.

Saindo do universo dos super-herois da Marvel, da ação e da comédia, esse será um novo passo na carreira de Chris, que terá a oportunidade de mostrar mais de sua faceta como ator.

Em trecho do livro, PJ Voeten, produtor e assistente de direção em “Mad Max: Estrada da Fúria”, contou como foi a escolha de Hemsworth para o papel:

“George viu Chris [Hemsworth] inicialmente como uma opção e depois se apaixonou pela ideia. Ele vai interpretar o tipico do contra, o vilão principal. Infelizmente, temos que encontrar todos os nossos outros personagens que não estão por perto. mais: um novo Immortan, um novo Bullet Farmer e alguns outros”.

O filme autônomo que foi escrito e será dirigido por George Miller revelará as origens de Furiosa e irá acompanhar a gênese da personagem antes de ela se juntar a Max Rockatansky (Tom Hardy) em Estrada da Fúria. Além de Chris e Anya, o ator Tom Burke também integra o elenco do filme, substituindo Yahya Abdul-Mateen II que teve que deixar a produção por conflitos de agenda.

As gravações de “Furiosa” estão programadas para acontecerem a partir de abril deste ano na Austrália e sua estreia está marcada para 24 de maio de 2024.



Jessica Chastain quer que os pais do mundo tenham mais respeito. Em uma nova entrevista ao Sunday Times Style, a atriz, que tem duas filhas com o marido Gian Luca Passi de Preposulo, conde italiano e executivo de moda, explicou que não acha que os pais recebem crédito suficiente e citou Chris Hemsworth como um dos pais que a inspiraram antes mesmo de iniciar a criação de sua família.

“Neste momento, como sociedade, não acredito que valorizemos os pais tanto quanto deveríamos. Acho que temos que entender que – e é difícil para uma mulher dizer isso – o relacionamento com o pai é tão importante quanto o relacionamento com a mãe. E os homens precisam reconhecer que as mulheres são tão importantes quanto a força de trabalho. E assim, uma vez que tenhamos mais equilíbrio tanto na força de trabalho quanto em termos de criação dos filhos, acho que é assim que criamos seres humanos mais saudáveis ​​e felizes”.

E um pai que deu uma inspiração parental a Chastain foi Chris Hemsworth, que atuou ao lado dela em O Caçador e a Rainha do Gelo, de 2016. Ela notou que o ator australiano ficava “devastado” por não chegar em casa do set a tempo de colocar seus três filhos na cama.

“Ele ficava tão triste se estávamos ultrapassando o tempo pré-definido porque seus filhos estavam sempre dormindo quando ele chegava em casa. E isso foi muito antes de eu me casar e tudo mais. Eu lembro de ver isso e pensar: ‘Quando passamos 16 horas do dia em um set, por que não há um ambiente para que as pessoas possam estar com nossos filhos?’. E acho que deve ir além das mulheres, e também abranger os homens – e foi isso que partiu meu coração, o quão doce Chris era, falando sobre o quanto ele sentia falta de seus filhos. Devemos chegar ao ponto em que os homens sejam capazes de admitir isso e a sociedade veja isso como uma força”, disse ela.



A GQ Australia liberou uma nova entrevista com Chris Hemsworth. Confira a matéria completa!

Carreiras em Hollywood às vezes podem parecer fáceis. Um simples caso de aterrissar em sua grande chance, e então esperar que a fama e a fortuna cheguem, enquanto você planeja seu próximo papel de grande sucesso. No entanto, não são as oportunidades que definiram a carreira formidável de Chris Hemsworth, mas os desafios – e seu desejo de continuar vendo-os acontecerem.

“É tudo uma questão de buscar novos desafios, sabe?”, diz ele em seu barítono caloroso e instantaneamente reconhecível ao telefone de sua casa em Byron Bay, onde mora desde que se mudou de Los Angeles em 2014.

“Já trabalho há 15 anos e houve um período em que tudo era novo e empolgante, e o mais difícil era dizer ‘não’ porque você queria continuar trabalhando”, diz o ator.

“Agora você quer aprofundar a abordagem e pensar ‘isso parece familiar? é um território único para mim? já interpretei esse personagem antes? quem é o diretor? quem é o elenco? é uma colaboração que sinto que vou aprender com ela?’. Sempre que parece muito familiar ou muito confortável, acho que meu interesse não foi despertado”.

É esse critério que se tornou a fórmula para o sucesso do ator, acrescentando que quando ele “não tivesse medo ou ansiedade como um motivador para cavar um pouco mais fundo no roteiro”, ele se sentiria muito confortável. “Gosto de procurar projetos que me assustem muito, coisas que obriguem você a se expandir e evoluir, trabalhar mais, aprender mais”.

Isso deu lugar ao sucesso meteórico de Hemsworth e permitiu-lhe o prazer de trabalhar em uma série de filmes que definiram sua carreira. Citando Thor, Extraction, Bad Times at the El Royale, Rush e Escape from Spiderhead – “desculpe, estou listando todos os meus filmes quando você pediu apenas um”, ele interrompe com uma risada – como alguns de seus favoritos, rapidamente se torna aparente que são os desafios oferecidos por cada uma dessas funções que consolidaram seu lugar em seu carretel de destaques.

Sem surpresa, é também o nível de expectativa que permeia o set de Thor: Love and Thunder, baseado em Sydney, a quarta parcela da série de sucesso da Marvel reimaginada pelo diretor Taika Waititi, que está atualmente energizando Hemsworth. Além, é claro, de co-estrelar as habilidades de improvisação de Chris Pratt. “O cara é incrivelmente impressionante com a espontaneidade, o humor e as coisas que ele inventa. É engraçado, inspirador e intimidador. ”

Sobre voltar para seu papel recorrente como o Deus Nórdico do Trovão portador do martelo, Hemsworth diz que, também, apresenta seus desafios. “Tem a mesma – se não mais – pressão agora para fazer de novo,” ele diz. “Então tem um pouco de uma energia nervosa e animadora que está motivando todos nós a chegar um pouco mais longe e ter certeza de que estamos cobrindo todas as bases e abordando a cena de todos os ângulos.”

E não é só profissionalmente que Hemsworth se desafia, mas pessoalmente. Quando perguntado sobre sua natureza humilde e comportamento pé no chão, a estrela mundialmente famosa credita a influência de seu pequeno grupo de amigos e família. “Nós somos majoritariamente produto do nosso ambiente, então é sobre a companhia que você mantém e eu tive ótimos pais e modelos enquanto crescia.”

“Estou sempre motivado a ser melhor – seja como pessoa, ou pai, marido, amigo, colega de trabalho. Eu acho que todos temos esse dever e obrigação de nunca ficarmos muito confortáveis e só perguntar, ‘o que mais eu posso dar e fazer? Quais efeitos positivos podemos ter nisso?’ Eu acho que isso vem dos meus pais e educação, mas por qualquer razão isso sempre esteve no meu centro e eu acho que isso sempre me mantém em cheque.”

Como alguém que é sempre celebrado por suas sensibilidades exclusivamente australianas, Hemsworth é o primeiro a reconhecer a influência positiva que realocar em casa com sua família há sete anos teve em sua perspectiva. “Ir e vir de Hollywood foi uma maneira muito saudável de fazer isso,” ele diz. “Eu pude dar um passo um pouco atrás e não estar sempre focado na parte pequena disso tudo – Eu tinha uma visão macro das coisas. Vivendo aqui, eu podia ver de longe e reavaliar coisas e ver o que era importante.”

Mais recentemente, no acordar na pandemia global, um senso de gratidão e culpa coloriu sua habilidade de chamar a Austrália de casa. “Eu sei que minha ou nossa experiência como australianos é muito diferente da maioria das pessoas pelo mundo… Mas eu acho que o golpe inicial e o primeiro freio de tudo foi tão inquietante pra mim como foi pra todo mundo,” divide o ator, que confessa que ele também descobriu que as circunstâncias também serviram como um alerta muito necessário.

“Foi tipo, ‘ uau, olha todas as coisas que tomamos como garantido’,” ele diz. “Coisas simples como andar pela rua, e ir a um restaurante, e não usar uma máscara, e como nós interagimos e nos juntamos coletivamente – tudo de repente, nós não podíamos fazer. Eu sei, de novo, sem escalar isso a experiência de todos os países, mas em qualquer nível, é um tanto desafiador, emocional e psicologicamente.”

Era contato humano que Hemsworth descobriu ser uma graça salvadora entre a agonia e incerteza que foi 2020. “Eu acho que – para amigos meus que estavam sob isolamentos e lockdowns pesados – se tornou muito pouco saudável, e o que os fez passar por isso foi ainda manter aquelas amizades e ainda se comunicarem com as pessoas.”

“Nós enganamos a nós mesmos em pensar que podemos fazer tudo sozinhos e sou só eu contra o mundo, e por aí vai. Então você percebe que não, não somos nada sem uns aos outros, e não somos nada sem conexão e colaboração, e unidade e comunidade. Eu espero que isso tenha mostrado isso pra todo mundo. E então talvez conforme as coisas fiquem mais fáceis, quanto mais normais as coisas voltem a ser, nós mantenhamos isso em mente – nós somos gratos por essas coisas, não tenha elas por garantido.”

“É uma doença,” Hemsworth continua, agora em seguida. “Nós todos parecemos ter a ideia de que tudo vai durar pra sempre e que tudo fica exatamente da forma que nós queremos que fique, e nós ficamos muito desapontados e surpresos quando as coisas mudam. É tipo, a única coisa que você meio que garante é que as coisas vão mudar.”

É por essa razão que o ator não está desanimado que agora ele tem que dividir sua casa com Hollywood – o mesmo lugar que ele lutou tanto para se distanciar – já que pessoas como Liam Neeson, Melissa McCarthy, Idris Elba, Matt Damon e Zac Efron se mudaram para a Austrália para filmarem vários projetos. Ao invés disso, Hemsworth está esperançoso.

“Eu me lembro quando eu sai pela primeira vez para ir para Los Angeles 10 anos atrás, a cena de cinema australiana estava realmente sofrendo e o elenco e a equipe com que eu tinha trabalhado aqui estavam fazendo a mesma coisa, indo para o exterior para procurar trabalho em outro lugar,” ele relembra. “Toda vez que fui sortudo o suficiente para trabalhar em um filme aqui na Austrália, uma das principais coisas que as pessoas falam é sobre o quão agradecidos e felizes nós estamos pelo trabalho estar aqui nas nossas praias e em casa, nós não estamos tendo que deixar nossas famílias para fazer o que amamos. Então eu não poderia estar mais feliz de que eu não tenho que estar em um avião toda semana.”

“Também, conversando com outros australianos e ouvindo o quão agradecidos estão por ter mais empregos agora na indústria, eu acho que é uma coisa boa,” ele completa. “Tem sempre uma parte de você que quer manter isso em segredo – não gostaríamos de fazer isso? Mas eu não acho que é um segredo que mantivemos ou podemos manter de qualquer forma. O fato é, pessoas de todo o mundo amam a Austrália pela mesma razão que nós. Eu acho que é uma época animadora poder ver a indústria [do cinema] florescendo desse jeito.”

Hemsworth também é grato por ele ter tido a oportunidade de hospedar seu amigos de longa data Matt Damon e Idris Elba em Byron Bay, onde ele mora com a esposa Elsa Pataky, sua filha de 8 anos anos, India, e seus gêmeos de 6 anos anos, Tristan e Sasha. “É ótimo,” ele diz, sua voz brilhante de contentamento. “Eles estão aqui na Austrália – Matt estava aqui obviamente trabalhando em Thor, Idris está filmando um filme aqui.”

“Eu conheço esses caras há anos,” ele compartilha. “As vezes, vocês só se veem no set ou em uma premiação e não tem como sair normalmente. Então é ótimo, e esse é o caso com muitos do elenco nesse momento que estiveram em Thor – fazer isso no meu quintal e poder mostrar a eles o lugar é um grande luxo.”

Sem mostrar nenhum sinal de diminuir o ritmo, Hemsworth – que foi recentemente anunciado como embaixador global da Hugo Boss, depois de encabeçar a linha de fragrância da marca desde 2017 – está se preparando para aparecer ao lado de Anya Taylor-Joy e Yahya Abdul-Mateen II em Furiosa, uma prequência (prequel) do filme de 2015 Mad Max: Estrada da Fúria.

“Eu cresci com esses filmes e habitar esse espaço e esse universo de qualquer jeito ou forma, desde jovem, era um sonho,” ele diz. Esse novo projeto é ainda outro que o ator coloca na sua lista de busca por desafios.

“Eu encontrei com [o diretor] George Miller várias vezes há mais ou menos um ano atrás e li o script e fiquei muito animado. Realmente reacendeu a paixão,” ele explica. “Não estou dizendo que me cansei de trabalhar, mas eu estava me sentindo confortável com tudo, e então de repente conhecer um dos meus heróis, uma lenda australiana icônica dos filmes, e ter a chance de trabalhar com ele foi muito ‘puta merda, isso é assustador e estimulante e divertido’.”

Hemsworth também está muito ansioso para Limitless fazer sua estreia. Explorando “como podemos viver mais, melhor, mais felizes, mais saudáveis, mais fortes”, essa série é uma que o ator está orgulhoso de ter trabalhado com o National Geographic.

“Aquilo foi um verdadeiro abridor de olhos para mim,” ele diz. “Você tem alguns bons anos que fica longe das coisas – Você festeja, treina, trabalha, você vai indo – então de repente, tudo te pega. Esse show é esperadamente um verdadeiro guia para todos nós tirarmos o melhor da vida e experienciar isso com 100% ou a melhor oportunidade de saúde e bem estar que nós pudermos.”

E não tem dúvidas de que Hemsworth está a caminho disso. Bem ciente de que desafio planta oportunidade, o ator está buscando obstáculos, voando sobre eles, e se preparando para continuar tendo sucesso. Depois de tudo que os últimos 12 meses jogaram em nós, é um exemplo com que podemos aprender – mesmo se não formos todos estrelas de cinema.



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS • Layout por CHBR & codificado por Lannie D