Fonte: GQ
Tradução e adaptação: Equipe CHBR

Chris Hemsworth não tem medo dos elementos. Ele não só sabe como manipular trovões e relâmpagos como um herói da Marvel, mas para seu último filme cheio de ação pesada, Resgate 2, ele enfrentou neve, vento e literalmente foi incendiado (mais sobre isso depois). Portanto, em um estúdio de Los Angeles no final de maio, o ator australiano está mais do que feliz em ficar sob um equipamento de chuva, fazendo pose enquanto baldes de água o encharcam de cima para baixo. Ele é um profissional, mesmo quando está encharcado, olhando para a câmera como se tivesse um mestrado em combustão lenta. Mas assim que um dos diretores pede para cortar, Hemsworth começa a sorrir, imitando uma guitarra de ar e tirando a água do rosto com as mãos. Ele não consegue deixar de tentar fazer com que todos no set riam, em um momento mostrando uma virada de cabelo no estilo da Pequena Sereia que até Ariel invejaria.

É uma flexibilidade e espontaneidade que o ajudaram muito em sua carreira: aos 39 anos, Hemsworth é uma das estrelas mais amadas de Hollywood, um protagonista com um físico de figura de ação e um senso de timing cômico impecável. Ele interpretou capitães espaciais malandros (Star Trek), líderes de culto perturbadores (Maus Momentos no Hotel Royale) e recepcionistas mal-intencionados (Ghostbusters) – para não mencionar 12 anos como Thor, o deus de cabelos dourados e martelo da Marvel. E em 16 de junho ele chegou à Netflix no tenso thriller Resgate 2, reprisando seu papel como o mercenário Tyler Rake. Quando o primeiro Resgate foi lançado em 2020, nos primeiros dias da pandemia, a Netflix o divulgou como a estreia de filme mais assistida do streamer, ganhando 99 milhões de espectadores, prova de que Hemsworth pode conquistar as bilheterias e as paradas de streaming.

“Existem algumas pessoas que são compulsivamente assistíveis”, diz Anthony Russo, que, ao lado de seu irmão Joe, produziu os filmes Resgate e dirigiu Hemsworth em vários filmes dos Vingadores. “E Chris Hemsworth é um dos mais assistidos que existe”.

Na tela, Hemsworth está constantemente se reinventando, mesmo fora da tela, ele continua sendo o genial surfista australiano que era antes da fama – sempre em busca de algo novo. Voltando para um segundo Resgate, ele queria expandir seus limites físicos e emocionais, mergulhando mais fundo com o personagem e mirando mais alto com a ação. “Eu já disse isso algumas vezes”, diz Hemsworth à EW, colocando um joelho no peito enquanto se senta em uma mesa de piquenique do lado de fora da sala de chuva, “mas quando as coisas se tornam muito familiares e muito semelhantes ao que você fez, o público – e eu – parece conferir.”

Hemsworth sempre teve afinidade com a ação. Quando era criança, na Austrália, ele e seus irmãos – Luke, agora com 42 anos, e Liam, com 33 – assistiam a filmes de Schwarzenegger e Van Damme. Depois, eles corriam pelo quintal, batendo uns nos outros com paus e reencenando o que viram na tela.

Hemsworth basicamente passou décadas fazendo o mesmo profissionalmente (embora com coreografia cuidadosa e algumas das melhores equipes de dublês do mundo). De muitas maneiras, ele parece uma escolha óbvia para uma franquia de ação como Resgate. Mas os Russos e o diretor Sam Hargrave inicialmente tinham outras ideias sobre quem deveria interpretar o taciturno Tyler Rake, na esperança de escalar alguém contra o tipo com um herói de ação mais não tradicional. (Em outras palavras, alguém que parecia menos com um deus dourado literal, arrancado das páginas de uma história em quadrinhos).

Mas enquanto trabalhavam juntos nos filmes dos Vingadores, os Russos e Hargrave (que estava atuando como coordenador de dublês) souberam que Hemsworth estava ansioso para fazer um grande projeto de ação, algo que testasse suas habilidades fora do universo Marvel. “Nós meio que olhamos um para o outro e pensamos: ‘Sim, podemos deixar nossas noções preconcebidas sobre o que achamos que devemos fazer com o roteiro'”,, lembra Hargrave com uma risada. “Temos uma estrela de cinema procurando um papel. Seríamos tolos se não aproveitássemos isso”.

Hargrave e Hemsworth se conhecem há mais de uma década, tendo se encontrado pela primeira vez no set de filmagem de Os Vingadores, de 2012. (Hargrave fez dupla com o Capitão América de Chris Evans e, logo no início, ele se lembra de Hemsworth convidando ele e outros dublês para um churrasco de apresentação). Resgate seria a primeira vez que Hargrave assumiria a cadeira de diretor, mas ele tem um longo currículo como coordenador de dublês, diretor secundário e ator, trabalhando em filmes como Capitão América: Guerra Civil, Loira Atômica e a série Jogos Vorazes. Juntos, o astro e o diretor queriam ultrapassar os limites da ação na câmera, o que significa que Hemsworth, que já estava em forma, teria que treinar mais do que nunca.

O primeiro filme seguiu Tyler enquanto ele resgatava o filho de um chefão do crime indiano, correndo por Bangladesh e jogando bandidos de sacadas. A sequência aumenta ainda mais a ação. Depois de quase morrer no primeiro filme, Tyler tem que lutar para se recuperar antes de assumir um novo caso: tirar uma família da Geórgia de uma prisão brutal. Essa missão o leva a atravessar a Europa e coloca Hemsworth contra hordas de dublês. “Em nosso filme, estamos em um trem em movimento”, diz Hemsworth, que queria adotar o máximo de ação prática possível. “Há um helicóptero de verdade voando de costas na frente do trem, a seis metros de mim, e há um milhão de variáveis diferentes e coisas que podem dar errado. Você está na ponta da cadeira porque é verdadeiro”.

Uma das sequências mais impressionantes do filme é um “oner”, uma sequência longa e ininterrupta apresentada em uma única tomada. O primeiro filme tinha um oner de 12 minutos, seguindo Tyler enquanto ele corria por ruas lotadas e atravessava telhados. Em Resgate 2, o “oner” chega a incríveis 21 minutos, estendendo-se por uma fuga da prisão, uma briga no pátio da cadeia na neve, uma perseguição de carro em alta velocidade e uma sequência de trem emocionante (com um helicóptero de verdade pousando em um trem).

Depois de mais de uma década interpretando Thor, Hemsworth conhece bem as coreografias de ação. “Posso chegar ao set de filmagem pela manhã, ensaiar uma sequência de ação tradicional e filmá-la naquela tarde, simplesmente pela natureza de poder filmá-la pedaço por pedaço”, diz ele. Mas como o filme tinha que ser perfeitamente roteirizado e cronometrado até o segundo, foram necessários três meses de preparação e planejamento.

“Não é um filme fácil”, acrescenta Anthony Russo. “Não é um filme em que você aparece e se hospeda em um confortável Four Seasons, onde faz algumas cenas em um cenário. Você vai sujar suas mãos. Você vai levar uma surra. As condições são extremamente adversas. Portanto, você tem que se dedicar ao máximo. E o Chris está absolutamente empenhado”.

Em um determinado momento, Tyler é pego no meio de um motim na prisão. Só essa sequência exigiu mais de 400 dublês, filmados durante a noite em Praga, em um clima de 10 graus. Hemsworth se lembra de que foi uma das filmagens mais brutais em que já participou, não só por causa do frio, mas também pela pressão que exerceu sobre si mesmo. “As pessoas estão pegando fogo, as coisas estão explodindo e, se você errar um passo ou um soco, de repente todas as pessoas do set têm que começar de novo”, explica ele. “Não é só você que está passando por isso. Você está arrastando todo mundo de volta para outra tomada”.

Para deixar claro: quando Hemsworth diz que “as pessoas estão pegando fogo”, ele também está se referindo a si mesmo. Há um momento durante a briga na prisão em que um coquetel Molotov perdido incendeia Tyler, e ele tem que se esforçar para apagar o fogo enquanto se esquiva de socos e de várias armas improvisadas. Sim, eram chamas reais e sim, Hemsworth fez a cena sozinho. “No início, achei que era uma ótima ideia, porque estava muito frio”, diz ele. “Mas, como você sabe, o fogo tem uma tendência a machucar”.

Para realizar a acrobacia, Hemsworth usou uma jaqueta retardante de chamas, revestida com um líquido espesso e inflamável. No entanto, quanto mais tempo o fogo queima, menos eficaz a jaqueta se torna, e Hemsworth teve que cronometrar cuidadosamente cada chama em sua cabeça. Se o fogo se estendesse por mais de 10 ou 15 segundos – ou se seu braço começasse a ficar muito quente – cabia a ele apagar as chamas com as mãos.

Hargrave calcula que eles atearam fogo em Hemsworth seis ou sete vezes no total. Obviamente, foram adotadas inúmeras medidas de segurança, mas o diretor ainda se preocupava com os possíveis imprevistos, especialmente quando sua estrela estava em chamas. “Observamos os boletins meteorológicos, certificando-nos de que não haveria uma brisa repentina”, explica Hargrave. “Se uma rajada de vento surgisse e o vento soprasse o fogo de volta para o rosto dele, esse é o Chris Hemsworth! Esse é um rosto que milhões de pessoas adoram!”.

Quando a EW conversou com Hemsworth em maio, ele estava se preparando para uma turnê turbulenta, viajando pelo mundo para promover o filme Resgate 2. É sua primeira grande viagem de trabalho em algum tempo: No ano passado, após o lançamento de Thor: Amor e Trovão e depois de terminar de gravar Resgate 2, “decidi tirar uma folga porque estava exausto e queria ficar em casa com minha família”, diz o ator, que mora na Austrália com sua esposa, a atriz Elsa Pataky, e seus três filhos – a filha India, de 11 anos, e os filhos gêmeos Sasha e Tristan, de 9 anos. Ao mesmo tempo, foi divulgada a notícia de que, enquanto Hemsworth estava filmando a série documental Limitless, da National Geographic, ele descobriu que tem uma predisposição genética para o Alzheimer que o deixa com um risco muito maior de desenvolver a doença mais tarde na vida.

“Foi interessante, porque essas duas manchetes se juntaram, que eu estava tirando uma folga por causa da predisposição genética para o Alzheimer”, diz Hemsworth sobre a coincidência do momento. Mas, embora a revelação não tenha tido nada a ver com suas férias, ele admite que “essa experiência e o programa [Limitless] o fizeram pensar: ‘Nossa, nenhum de nós é invencível’. Isso faz com que você entre no momento. Você começa a fazer perguntas maiores e pensa: ‘Preciso desacelerar e viver este momento agora e não deixar que os anos passem correndo’. Foi positivo nesse sentido, mas ficou um pouco exagerado, como se eu estivesse potencialmente me aposentando por causa disso. O que não é o caso”.

Ainda assim, ele gostou do tempo livre. Nos dias de semana, ele tenta levar as crianças para a escola pela manhã, o que ele descreve como uma “batalha, porque elas são um pouco como eu”. “Eles adoram esportes e arte”, diz ele com uma risada. “Mas matemática, ciências, etc., não são necessariamente algo que os atraia com grande entusiasmo”. Durante o dia, ele vai para a academia, surfa e põe os roteiros em dia – até a hora de pegar as crianças. “E então”, acrescenta ele, balançando ligeiramente a cabeça, “o caos começa”.

Foi uma recarga bem-vinda, mas ele também está ansioso para voltar ao trabalho. “É tudo uma questão de equilíbrio. Percebi o quanto esse tempo pode ser restaurador e reabastecedor, mas também percebi o quanto preciso de um escape. Preciso estar construindo algo, criando algo”, explica Hemsworth. “Por mais divertido que seja ficar sentado na praia o dia todo, no início, isso rapidamente se torna… não quero dizer mundano, mas familiar demais. Para mim, gosto da espontaneidade. Gosto do inesperado. Gosto de ser desafiado”.

Desafiado e ocupado. Em seguida, Hemsworth se junta a uma franquia de ação totalmente diferente, estrelando ao lado de Anya Taylor-Joy em Furiosa, a tão esperada continuação de George Miller para Mad Max: Estrada da Fúria, filme de 2015. “É gigantesco, de outro mundo e tudo o que você esperaria do mundo de Mad Max”, diz Hemsworth, que adorou o roteiro de Furiosa e aproveitou a chance de trabalhar com um australiano, Miller – embora tenha se deparado com dúvidas, incapaz de entender como interpretar o vilão do filme. “Eu não tinha certeza do que iria fazer”, diz ele. “Estava começando a ficar assustador quanto mais me aproximava da filmagem. Então, de repente, deu um clique e foi uma das melhores experiências que já tive”.

Quanto ao seu futuro como Thor? Hemsworth faz uma pausa, sabendo que qualquer coisa que ele disser vai gerar inúmeras manchetes em todos os blogs de nerds da Internet. “Tenho que ter cuidado com o que digo, porque não tenho ideia do que está acontecendo na próxima fase”, diz ele. “Sempre há conversas, como no caso do Extraction. Antes de qualquer coisa ser oficial, as pessoas estão lançando ideias. Mas oficialmente, eu não sei”.

Se ele pegar o martelo novamente, será sua décima aparição na tela como o personagem em 12 anos. Thor já é o único personagem da Marvel a ter quatro filmes solo – para não falar dos vários filmes dos Vingadores. Ele adora interpretar o herói asgardiano, mas quer ter certeza de que o próximo capítulo – se acontecer – não se transforme em “Thor’s Greatest Hits”.

“Não quero continuar fazendo isso até que as pessoas estejam tão exaustas que revirem os olhos quando me virem na tela com aquele personagem”, diz ele. “Se o público quiser ver, e se houver algo que acreditamos ser empolgante e divertido, ótimo. Adorei poder reinventar esse personagem algumas vezes. Ainda não tenho a resposta, mas adoraria tentar [descobrir] como podemos fazer isso novamente e mantê-lo um pouco imprevisível”.

Ele tem a mesma opinião sobre Resgate. Seu objetivo nesse segundo filme era desvendar as camadas da psique de Tyler Rake, concentrando-se tanto em seu estado emocional quanto no físico. Ele também já está pensando no que Tyler pode fazer a seguir: “O terceiro – que planejamos fazer se tivermos a sorte de realizá-lo – será totalmente diferente”, provoca Hemsworth. Isso o torna um dos raros atores a lançar franquias tanto no cinema quanto no streaming e, quando perguntado sobre a batalha interminável entre os dois, ele adota uma abordagem diplomática.

“O streaming permitiu a produção de muito mais filmes”, diz ele. “Devido à natureza dos meios competitivos e das distrações que o público tem na ponta dos dedos, ficou mais difícil levá-los ao cinema. Então, sou grato pelos filmes maiores que ainda são capazes de fazer isso e manter as coisas fluindo. Mas também sou grato pelas plataformas de streaming que podem fazer uma espécie de ponte para filmes que as pessoas talvez não assistam no cinema, mas que assistiriam em casa”.

Há espaço para ambos, acrescenta Hemsworth – mas ele também admite que, quando se trata de filmes grandes e cheios de ação como Resgate, ele gosta de poltronas macias e pipoca. “Eu estaria mentindo se não desejasse que esse filme também fosse ao cinema, porque acho que ele se encaixa muito bem em uma tela grande e em um sistema de som grande”, ele confessa. “Mas sou grato por termos conseguido fazer o filme. Talvez não tivéssemos tido essa oportunidade em um lançamento no cinema”.

“Chris é um produtor muito talentoso”, elogia Anthony Russo. “Ele não está abordando a narrativa simplesmente como ator. Ele está pensando em uma visão mais ampla do que pode ser feito com os filmes, do que pode ser feito com a narrativa. Ele está pensando no filme nos termos mais amplos possíveis, não apenas do ponto de vista de seu personagem”.

A essa altura, Hemsworth diz que está um pouco mais seletivo em relação aos projetos que aceita – especialmente quando seus filhos estão crescendo. “Meus filhos estão na escola e já estão em uma idade em que não é tão fácil mudar de vida e viajar pelo mundo”, diz ele. Ele também estabeleceu como meta trabalhar com o maior número possível de diretores interessantes, ansioso para absorver o máximo de conhecimento que puder, apontando Miller como o exemplo perfeito. E ele gostaria de fazer um drama contemporâneo. Talvez uma história de amor (Hollywood, faça isso acontecer!). “Eu fiz tanta ação corajosa e estética fantástica”, diz ele. “Seria bom ser um pouco… qual é a palavra, mais limpo? Não ficar coberto de sangue, poeira e sujeira e levar tiros. Estou cansado de ser espancado”.

Ele faz uma pausa e depois sorri. “Mas veja, vou receber um monte de coisas que contradizem completamente o que acabei de dizer, e é para lá que vou”. Ele dá de ombros. “Está nas mãos dos deuses”. Ainda bem que ele sabe uma ou duas coisas sobre isso.

Assista ao video legendado de Chris Hemsworth para a EW:

Confira o ensaio completo do ator para a revista em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

Próximos Lançamentos.

Limitless: Temporada 2 Sem data
Thor 5 Sem data
Vingadores 5 2027

As datas com ( * ) correspondem ao lançamento no exterior.
  • Furiosa: A Mad Max Saga recebe o primeiro poster promocional

  • Resgate 2 : Fotos e Pôster - AdoroCinema

  • O Chris Hemsworth Brasil não representa o ator Chris Hemsworth e não possui vínculo com o mesmo ou seus agentes. As opiniões expressas aqui não representam necessariamente as opiniões do ator.