Sejam bem-vindos ao Chris Hemsworth Brasil, sua melhor fonte sobre o ator Chris Hemsworth em português e o primeiro na América Latina, com todo conteúdo relacionado ao ator em um só lugar! Somo um site criado por fãs, sem fins lucrativos, com o objetivo de informar. Não temos contato com Chris Hemsworth ou seus agentes e é proibida a cópia total ou parcial deste site. Todo o conteúdo é creditado aos seus devidos criadores.

Em entrevista recente ao Total Film, o ator Chris Hemsworth falou sobre a transformação corporal que ele terá que passar para interpretar o papel de Hulk Hogan na filme biográfico sobre o lutador.

“Este filme será um projeto muito divertido”, disse Hemsworth. “Como você pode imaginar, a preparação física para o papel será insana. Terei que ganhar mais peso do que jamais tive, mais até mesmo que ganhei para interpretar o Thor”.

“Além disso ainda tem o sotaque, além da fisicalidade e da atitude. Eu também terei que mergulhar fundo no mundo do wrestling, o que estou realmente empolgado para fazer”, disse o ator.

Hemsworth acrescentou que “será divertido ver” ele mesmo usando o bigode icônico de Hogan. “Eu vou ficar loiro, provavelmente careca e com um bigode”, disse ele.

Ele também contou que ainda não leu o roteiro do filme: “O projeto está em desenvolvimento. Todd Phillips e eu nos encontramos para conversar sobre isso, um ou dois anos atrás. Nós conversamos sobre o projeto, que eu acho que inicialmente seria uma série de TV”.

O filme contará a ascensão de Hogan, um dos mais populares astros de luta livre durante os anos 80 nos EUA. Seu sucesso nos ringues motivou sua participação em filmes, comerciais, programas de televisão e videogames.

“Havia algumas ideias diferentes sobre em que parte da vida dele seria ambientada, então discutimos sobre o que poderia ser e o que eu pensei que poderia ser. Felizmente, eles correram com algumas dessas idéias e o roteiro está sendo escrito – mas Hulk Hogan ainda está um pouco longe”, finalizou Hemsworth, se referindo ao seu personagem.

O filme será dirigido por Todd Phillips, mesmo diretor de “Joker” e segue sem data de lançamento prevista.



Em entrevista ao IANS (Indo-Asian News service) Chris Hemsworth disse que ele usa a vulnerabilidade como um ponto de acesso ao público e que isso faz com que o personagem se conecte melhor com audiência.

“Eu sou vulnerável como qualquer um,” Disse Hemsworth ao IANS quando perguntado sobre usar a vulnerabilidade em personagens. “Você sabe, tudo envolvendo crianças, crianças em perigo ou se a segurança delas está em perigo, tendo filhos eu mesmo, é certamente muito mais fácil ser atraído para a natureza visceral que as circunstâncias evocariam de você”.

“Nós filmamos esse filme [Resgate] na Índia, Bangladesh e Tailândia, eu não tinha minha família comigo, então tendo a distância, eu certamente estava sentindo falta deles mais que o normal. Então era mais fácil chegar a essas emoções.” Hemsworth disse algo parecido quando perguntamos para ele, via Instagram no Question and Answer de Resgate, como ele fazia para “entrar no clima” para cenas dramáticas.

“Você sabe, [todos nós temos] as mesmas incertezas. Algumas pessoas são melhores escondendo isso que outras. Mas eu acho que vulnerabilidade é um ponto de acesso para uma audiência e isso mostra que você é humano. Mostra que tem qualidade que você espera que possa se relacionar, e incertezas e questões com que pessoas podem se identificar e isso foi incrível sobre o roteiro de ‘Resgate’ [Extraction] que foi posto na nossa frente para que nós mergulhássemos de cabeça.”

Outro grande exemplo de como adicionar falhas aos personagens pode trazer mais vulnerabilidade e, consequentemente, fazer com que o público se identifique, e até goste mais, de um personagem é Thor: Ragnarok, de 2017. Nesse filme Taika Waititi e Chris Hemsworth exploraram ao máximo as falhas do herói Thor, até então um tanto intocadas – através do humor – e o resultado foi um personagem muito mais “gostável” e que atraiu muito mais a atenção do público.

Ainda falando sobre a experiência em Extraction, Chris disse, “Foi só uma experiência incrível e colaborativa. Foi a primeira vez que eu estava trabalhando com uma plataforma de streaming [Netflix]. Eles realmente criaram um espaço para esse tipo de filme que talvez você não pudesse colocar para o consumidor durante esse tempo na história do cinema.”

“Nós pudemos fazer meio que uma volta real para os filmes de ação clássico onde você não estava se apoiando em efeitos especiais e efeitos visuais. É tudo na câmera. Foi muito exaustiva, mas maravilhosamente colaborativa, incrível experiência.”

Fonte



O All In Challenge é um desafio entre celebridades com o objetivo de arrecadar doações para ajudar no combate à fome durante a pandemia do COVID-19 nos Estados Unidos.

Cada celebridade que aceita o desafio precisa estipular um prêmio, que varia de pessoa pra pessoa, para os fãs que doarem para a causa. Quanto mais você doar, mais chances tem de ganhar, basicamente.

Depois de ser desafiado por Chris Pratt, Chris Hemsworth lançou o próprio prêmio para arrecadar doações. O ator veio em vídeo divulgar a oportunidade de um fã ir à premiere de Thor: Amor e Trovão junto com ele!



ATENÇÃO:
Data final: 9 de junho de 2020, às 23:59 ET
Elegibilidade: O ganhador deve ter 18 anos ou mais e ser residente dos Estados Unidos ou Canadá, de acordo com as regras oficiais disponíveis no site do All In challenge.


Detalhes:
* Cada pessoa pode ter até 200 entradas no concurso (doar até 200 dólares)
* 100% do dinheiro arrecadado irá para as instituições Meals On Wheels, Feeding America, World Central Kitchen e No Kid Hungry.
* O prêmio inclui 1 quarto e 2 noites em hotel.
* 1 ganhador e 1 convidado irão à after party (festa depois da premiere) exclusiva e poderá beber com Chris.
* 1 ganhador e 1 convidado ganharão ingressos para a premiere mundial de Thor: Amor e Trovão.
* 2 bilhetes de passagem aérea ida e volta inclusos.

Até agora, o All In Challenge arrecadou mais de $41 milhões de dólares.

Clique aqui para mais informações.



Mesmo durante a quarentena Chris Hemsworth continua fazendo presença. Desta vez, o ator é capa da edição de maio/junho da revista GQ. Confira a segunda parte matéria traduzida e o ensaio fotográfico a seguir.

Leia a primeira parte aqui.

Fotos por Mathew Brookes para a GQ Australia

Hemsworth tem pensado muito sobre o destino do mundo ultimamente, e não só por causa da crise atual. Seu irmão Liam, que também se mudou para Byron Bay no início desse ano, perdeu sua casa nos incêndios da Califórnia em 2018, e os incêndios na Austrália poderiam ter pego a casa de Chris também.

“O lugar todo parecia inflamável,” ele diz. “Isso me faz ver quão pouco controle nós temos sobre essas coisas, seja os incêndios ou coronavírus. Eles não discriminam, todos estamos vulneráveis a isso.”

No início de Janeiro, Hemsworth foi ao Instagram e compartilhou um vídeo com seus 40 milhões de seguidores onde falou sobre os incêndios na Australia e pediu doações, além de anunciar que estava doando 1 milhão de dólares para ajudar no combate às chamas.

É fácil para as celebridades jogar dinheiro por aí, claro. Mas no ano passado, Hemsworth também participou da Greve Global Pelo Clima (Global Climate Strike) com sua família, e ele tem sido vocal em pedir aos líderes mundiais para fazer mais pelo combate à mudança climática – Ele disse à GQ em 2017 que Donald Trump estava “cheio de merda em todos os níveis” quando o assunto foi mencionado, o que é difícil de argumentar contra.

“Não está mais tão longe, uma ameaça iminente,” ele diz. “Nós estamos ver isso acontecer em tempo real, na porta de casa. Nossa relação com a Terra e com a sociedade e um com o outro, nós estamos recebendo uma verdadeira balançada. Você começa a repensar seus valores e se torna claro o que é importante.”

“Você pode não sentir um enorme senso de que mudanças climáticas são reais e é hora de fazer algo sobre isso. Mas então está nas notícias e está à vista, fora da mente. Isso é o que me assusta porque a não ser que as coisas estejam bem na nossa frente, nós temos energia para fora antes de ser tarde demais?”

Isso é o que mais preocupa Hemsworth. Essas coisas serão deixadas para futuras gerações, para seus próprios filhos, apara lidar – e até, a oportunidade pode já ter sido perdida.

“Eles sabem mais sobre mudanças climáticas que a gente,” ele diz. “Mas também é desanimador que nós não conseguimos guiar o barco. Ver que essas crianças estão se esforçando para ganhar a atenção dos adultos – nós deveríamos estar envergonhados com isso. Eu sou inspirado por eles, mas também estou desapontado que é isso que deixamos para eles. A comunidade cientifica inteira está de acordo, então negar isso nesse ponto não é só ingenuidade, é também irresponsável e perigoso.”

É uma época difícil de pensar sobre o futuro. E é fácil fingir que Hemsworth tem todas as respostas, que ele é o super-herói que todos precisamos agora. Mas também é fácil descartá-lo como outra celebridade qualquer, pregando para as massas da sua mansão, alheio à forma como as pessoas normais vivem. A realidade é que nenhuma das duas coisas é completamente verdade.

Hemsworth não está nos pedindo para acreditar que ele sabe o que por aí. Ele pode ser um dos homens mais famosos do plante, mas pelos próximos meses pelo menos, ele é só outro cara em casa com sua família, tentando continuar a vida. Esperando pelo melhor, como todo mundo.



Mesmo durante a quarentena Chris Hemsworth continua fazendo presença. Desta vez, o ator é capa da edição de maio/junho da revista GQ. Confira a primeira parte matéria traduzida e o ensaio fotográfico a seguir.

Fotos de Mathew Brookes para a GQ Australia

No início deste ano, Chris Hemsworth, estrela mundialmente famosa, galã, super-herói, homem mais sexy do mundo em 2014, segundo ator mais bem pago do mundo em 2019, marido, irmão, pai, empresário, filantropo, fã de Western Bulldogs e nórdico Deus do Trovão, de repente se viu em uma posição incomum. Ele era muito parecido com todo mundo no mundo. Em casa. Crescendo inquieto. E preocupado com o que aconteceria a seguir.

Isso foi no final de março e o encerramento foi tão completo que era como se a própria Terra tivesse parado de girar. Lojas fechadas, empregos perdidos, caos em praticamente todos os países.

“Provavelmente é a primeira vez em 10 anos que eu não sei o que vou fazer nos próximos seis meses”, diz Hemsworth, sua voz no mesmo barítono áspero que você ouve na tela. “Não tenho tudo planejado. Até certo ponto, é bom não ter um cronograma, mas o desconhecido e a incerteza são intimidantes”.

Hemsworth, é claro, não era realmente como todo mundo. Ele sabe o quão sortudo ele é. Ele poderia estar em casa junto com o resto do país, mas o local em que estava confinado era a propriedade no alto de uma colina perto de Byron Bay, onde ele, sua esposa, a atriz espanhola Elsa Pataky, seus três filhos e o cachorro de estimação da família, Sunny, moram desde o final do ano passado.

“Temos muita sorte”, ele reconhece a situação de sua família. “Mas estamos aqui em casa e tentamos educar em casa as crianças, o que já é um feito. Eles são melhores alunos do que eu professor, para ser sincero”.

Quando o distanciamento social ocorreu, Hemsworth estava no meio das filmagens da série Limitless, para o National Geographic, na qual enfrentaria uma série de desafios físicos e mentais com o objetivo de viver mais tempo.

Ele também estava programado para promover Extraction, um filme que gravou em 2018. “Eu amo tanto esse filme”, diz ele sobre o thriller de ação, que já está disponível na Netflix. “Então eu estava animado para sair mundo à fora e vender isso”.

Depois, há a quarta parcela da franquia que o tornou um nome familiar, Thor: Love and Thunder. Ainda está previsto o início das filmagens em Sydney em agosto, embora a atual crise deixe a pré-produção em dúvida.

Ele sabe que está muito melhor do que a maioria – a demanda por serviços de desemprego em todo o país atingiu o pico tão rapidamente em março, que o site do Centrelink caiu – mas, para Hemsworth, a ruptura forçada parece que já faz muito tempo.

“Passei provavelmente 15 anos no que parecia uma maratona, uma carga de trabalho constante”, diz ele. “Muita energia foi direcionada para isso e, ao ter filhos ao mesmo tempo, tenho tentado constantemente encontrar o equilíbrio. Eu realmente ansiava por mais tranquilidade e senti uma necessidade definitiva de desacelerar. Não ter uma agenda na minha frente me fez reposicionar meus valores e o que é importante, e acho que a maioria das pessoas está tendo esse tipo de pensamento no momento”.

Hemsworth sempre quis ser ator. Ele se lembra de assistir Legends of the Fall – o épico vencedor histórico do Oscar, estrelado por Brad Pitt e Sir Anthony Hopkins – e de ter ficado impressionado com Pitt.

Seu alcance, seu carisma na tela. Depois, após fazer um curso na escola de cinema e televisão Screenwise de Sydney, Hemsworth sabia que não podia fazer mais nada. “Da noite para o dia, tornou-se minha obsessão”, diz ele.

Mas ele tinha outra motivação além de querer ser o próximo Brad Pitt. Hemsworth estudou em Heathmont, no leste de Melbourne, mas sua família se mudou para Bulman, uma pequena cidade de gado com menos de 300 pessoas no Território do Norte. As coisas não eram fáceis, e ele logo começou a sonhar em torná-lo grande.

“Nós crescemos com muito pouco dinheiro”, diz ele. “Meus pais lutaram com contas e pressões financeiras e pensei que, se eu sou ator, posso nos livrar disso, posso cuidar da minha família”.

Assim começou um ritmo de trabalho frenético que, até esse recente período de trégua, não diminuía há mais de uma década. Mas, além de buscar o sucesso, ele também foi movido pelo medo. Medo de que, se ele não continuasse dizendo sim, continuasse assumindo mais projetos, as coisas poderiam desacelerar tão rapidamente quanto decolassem.

“Você precisa ter uma abordagem obsessiva”, diz ele, trabalhando na indústria cinematográfica, “como qualquer coisa quando as probabilidades estão contra você e é uma chance em um milhão de você entrar. Mas uma vez que você está dentro, nenhum dia se passa sem que você pense que será tirado de você, tudo de repente”.

Mas anos correndo a todo vapor começaram a cobrar seu preço. E mesmo que ele esteja claramente em uma posição em que pode tirar o pé do pedal – Hemsworth ganhou mais de US$100 milhões no ano passado, sozinho – é difícil quebrar os velhos hábitos.

“Você ainda tem esse medo e ansiedade programados em você de que tudo vai desaparecer”, diz ele. “Mas devo admitir que, depois de pagar a casa dos meus pais e cuidar da minha família, tive um momento em que pensei: e agora? O que está dirigindo isso?”.

“Todo trabalho que eu aceitava, toda vez que fazia essas viagens prolongadas, ficava cada vez mais difícil. Por um tempo, você acha que as crianças não percebem e então você se dá conta que elas percebem. Eu absolutamente quero continuar a fazer filmes dos quais me orgulho, mas isso também pode esperar. Agora, o mais importante é que meus filhos têm uma idade que não quero perder. E eu odiaria olhar para trás daqui a 20 anos e dizer: ‘Certo, vamos trabalhar como pai’ e sentir falta de tudo isso”.

Em 2014, Hemsworth começou a filmar o segundo filme dos Vingadores, Era de Ultron, quando ele e Pataky compraram sua propriedade em Byron Bay por US$7 milhões. Eles moravam em Los Angeles há anos, mas isso marcaria o início da mudança de sua família para fora do epicentro do showbiz e voltando para casa na Austrália.

“Você está um pouco demais no olho da tempestade quando mora em Hollywood”, diz ele. “Morando na Austrália, também é mais fácil de me afastar do trabalho – e você tem um pouco mais de liberdade para deixar passar alguns e-mails e telefonemas”.

Tudo seguindo o plano, Thor: Love and Thunder será lançado em 2022. Até então, Hemsworth já interpretou o personagem-título por uma década – é fácil esquecer que ele tinha apenas 25 anos quando foi escalado para o original de Kenneth Branagh em 2011.

Na época, ele tinha um punhado de créditos em seu nome e, embora já fosse razoavelmente famoso na Austrália – ele apareceu na versão local do Dancing with the Stars em 2006 – Hemsworth era um desconhecido virtual nos EUA. Ele fez um teste sem sucesso para um papel em X-Men e também para a liderança em G.I. Joe, uma parte que finalmente foi para Channing Tatum. Hemsworth começou a pensar que sua carreira nunca poderia decolar.

“Eu tive sete ou oito respostas e eu pensei que uma delas iria dar certo,” ele diz. “Mas então nenhuma delas deu e então eu pensei: é isto, eu perdi de novo. Mas então Thor apareceu. Se eu tivesse conseguido um dos outros trabalhos eu nunca teria feito Thor.”

Assim que Hemsworth apareceu pela primeira fez no blockbuster, seu mandato como Deus do Trovão, sua transição foi organizadamente guiada da obscuridade para se tornar um dos atores mais famosos no planeta. Mas entre a franquia original e os filmes dos Vingadores, o próximo capítulo será o nono passeio de Hemsworth pelo papel. O dinheiro é bom, claro, mas ele começou a achar que ele começou a perder de vista o que ele queria para sua carreira.

“Eu senti uma falta de criatividade”, ele diz. “Mas era menos sobre eu ser o tipo pro papel – Era mais, ‘Isso é tudo que consigo fazer?'”

Em 2017, ele decidiu misturar as coisas e tomou um papel inesperado como um assassino líder cultista no suspense neo-noir Maus Momentos no Hotel Royale. O filme foi bem recebido quando foi para para as telonas, fazendo 52 milhões de dólares em bilheteria, e podia ser um descanso escasso das produções de grande orçamento que Hemsworth ficou conhecido por fazer. No último ano, Vingadores: Ultimato, por comparação, fez mais que 4,6 bilhões de dólares ao redor do mundo.

“Isso reacendeu meu amor por atuar,” ele diz de Maus Momentos. “Eu tinha que fazer alguma coisa que não era sobre efeitos especiais e sequências de ação. Quando se torna muito familiar, é muito fácil pra mim dizer, ‘Por que infernos estou fazendo isso?'”

Teve outro elemento que fez Hemsworth levantar o martelo novamente. O diretor neozelandês Taika Waititi sse juntou à franquia com Thor: Ragnarok em 2017, e ganhou elogios por injetar humor na série, que – numa era onde as audiências estão esperando para ver mais vulnerabilidade de seus heróis nas telas – foi em risco de se sentir datado.

“Ele é divertido demais,” diz Hemsworth, de trabalhar com o diretor. “Mas não confunda aquela energia infantil e frenética com alguém que não está preparado. É uma combinação única, que ele tem habilidade de, através do humor, colocar você à vontade, mas também está armado com todo o conhecimento que um diretor precisa para liderar você através do processo. E isso veio numa hora quando eu desesperadamente queria colocar mais humor no personagem.”

Esse ano, Waititi também ganhou um Oscar de Melhor roteiro Adaptado por Jojo Rabbit, sua comédia sombria da Segunda Guerra Mundial sobre um garoto alemão que descobre que sua mãe está escondendo uma menina judia na casa deles.

“Eu certamente fiquei feliz por ele quando ele ganhou e foi um momento muito especial,” diz Hemsworth, depois de admitir que ele não tem prestado tanta atenção às premiações como ele fez um dia. “Na verdade eu não vi nenhum dos outros filmes que concorriam com o dele – Eu não tenho visto muito de nada. Vivendo aqui eu estava tipo, ‘Ah é, é temporada do Oscar’. Eu tenho estado bem por fora.”

Hemsworth e Pataky tem três filhos, uma filha de sete anos e gêmeos de cinco. Embora a agenda de filmagens pode tirá-lo de casa por meses de uma vez, ele gosta do fato de que eles estão em uma idade que podem assistir aos filmes. Mesmo que eles não estejam convencidos que ele é o super-herói, o resto do mundo vê ele como um.

“Eu gosto muito quando eles realmente gostam dos meus filmes,” ele diz. “Mas também tem uma quantidade igual de “virada de olhos” – Eu não poderia ser menos legal aos olhos deles. É a forma da natureza de dizer a verdade. Você pode cair na falsa noção de auto importância num set de um filme, onde você se sente especial, então é bom se lembrar que não é o caso. E as crianças certamente mostram isso em casa.”

Leia a segunda parte da entrevista aqui.



Enquanto o filme de ação com Chris Hemsworth, “Extraction” (ou “Resgate” em português) caminha para se tornar o filme mais assistido da Netflix, o escritor Joe Russo fechou um acordo para escrever a próxima parte do filme de ação. A AGBO, empresa comandada por Russo e seu irmão Anthony, está juntando as peças e está otimista de que Sam Hargrave retorne como diretor, e que Chris Hemsworth retornará como o mercenário Tyler Rake, embora esses acordos não sejam feitos pela Netflix até que o script do filme esteja pronto.

“O acordo está fechado para eu escrever a Resgate 2, e estamos nos estágios iniciais formando como a história pode ser”, disse Russo ao Deadline. “Ainda não estamos comprometidos em saber se essa história avança ou retrocede no tempo. Deixamos um grande final solto que deixa pontos de interrogação para o público”.

Aqueles que assistiram ao filme – e, a julgar pelas estimativas da Netflix, grande parte do mundo – o final deixou em aberto a oportunidade de Rake retornar. Vários dos personagens tinham histórias passadas, portanto, há flexibilidade se o filme assumisse a forma de um prequel, ou seja, contasse o que se passou antes do primeiro “Resgate”

“Sempre houve um andamento simples na história, uma execução balética de ação, na qual você interpreta um personagem machucado que cometeu um erro flagrante no passado e tem uma chance de redenção que pode ser fatal”, disse Joe Russo. “O essencial foi que precisávamos de um diretor de ação muscular como Sam para ser a principal força criativa na execução da ação”.

Russo disse que espera que o diretor de Resgate, Sam Hargrave (um colaborador de longa data dos Russos), esteja de volta ao comando.

Quanto a Hemsworth, não há acordo até o momento. Russo disse que o foco será elaborar a história, depois escrever o roteiro e mostrá-lo antes que isso aconteça. Não parece que vai ser uma venda difícil, com base no entusiasmo que Hemsworth transmitiu nas redes sociais no fim de semana passado, enquanto dizia aos seus seguidores que o filme conquistou o maior público de abertura da Netflix e que ele deve ser assistido por 90 milhões de famílias nas próximas quatro semanas. Hemsworth trabalhou com Joe e Anthony Russo, e Hargrave, em Avengers: Infinity War e Avengers: Endgame.

Resgate ofuscou Spenser Confidential (85 milhões), 6 Underground (83 milhões), Bird Box (80 milhões) e a comédia de Adam Sandler/Jennifer Aniston, Murder Mystery (73 milhões). Agora, a métrica da Netflix mudou e Extraction, Spenser Confidential e 6 Underground obtiveram visualizações contadas se cada conta tivesse assistido por dois minutos ou mais. Os outros foram baseados em visualizações de 70% do filme ou mais.

Os russos disseram que estavam gratos pela recepção de Extraction de nomes como o chefe da Marvel, Kevin Feige, até os Vingadores, que estavam tão felizes por Hemsworth.

Joe e Anthony Russo acreditam que os números de Resgate foram ajudados pela decisão de filmar na Índia, que eles visitaram pela primeira vez durante a turnê de divulgação dos filmes dos Vingadores. Quando eles criaram a ideia do filme, há 12 anos, a intenção era gravá-lo na América do Sul, algo que eles mudaram quando a Triple Frontier foi lançada.

“Ficamos chocados porque não conseguimos pensar em um filme de ação ocidental significativo que tenha sido filmado lá, e os elementos culturais apenas sobrecarregaram a narrativa”, disse Joe Russo. “Foi o combustível convincente colocá-lo em um mercado emergente como esse”.



Recentemente Chris Hemsworth disse à revista People que encontrou com um de seus atores preferidos e um dos maiores nomes em Hollywood, Brad Pitt.

“Eu conheci Brad Pitt durante a premiere de Era Uma Vez… Em Hollywood”, evento em Los Angeles que foi acompanhado do irmão Luke Hemsworth e da esposa Elsa Pataky.

Chris Hemsworth, Luke Hemsworth, elsa Pataky e Samantha Hemsworth

Hemsworth conta que ficou um tanto animado e constrangido ao mesmo tempo ao encontrar o astro, “Ele veio pra apertar minha mão e fui pra abraçar, ele ficou de boa com isso. Eu não fui atacado pelo time da segurança ou coisa do tipo. Foi fantástico. Ele foi maravilhoso e agradável assim como eu esperava e imaginava”.

Fonte



Depois de muito “vai não vai” e dúvida entre os fãs se o filme baseado na biografia do lutador de luta livre dos anos 80, Hulk Hogan, sai ou não, Chris Hemsworth finalmente se manifestou a respeito, segundo a revista People.

Segundo o site, o ator ainda não sabe detalhes sobre o filme, que também irá produzir com sua produtora, Thematic Entertainment. Porém afirma que ele está muito animado para interpretar Hogan.

O filme foi anunciado no começo do ano passado e seria dirigido por Todd Phillips, diretor do memorável “Coringa”, de 2019. Segundo matéria do The Hollywood Reporter do ano passado, o filme focaria na origem da “Hulkmania”, um tipo de “movimento” que começou com Hogan derrotando o lutador Iron Sheik e dando início ao seu legado.

Recentemente, enquanto promovia o novo filme “Restage” (Extraction), Chris comentou sobre a biografia. “Eu sei que está sendo escrito e sendo trabalhado. Eu sei pouco sobre isso. Está meio que no processo agora.” E acrescentou, “Eu estou apenas fascinado por aquele mundo, e acho que eles são muito assertivos em mostrar um lado do mundo que as pessoas não viram antes. Estou tão intrigado quanto você”, disse Hemsworth.

Hulk Hogan também fará parte da produção do filme, atuando como produtor executivo e consultor, com Bradley Cooper também como produtor.

Fonte



TODOS OS DIREITOS RESERVADOS • Layout por CHBR & codificado por Lannie D