A Australia Childhood Foudation é uma fundação que visa a proteção infantil contra abuso, violência ou negligência e ajuda crianças que passaram por situações como essa a se estabilizarem (Você pode ler mais sobre a fundação no link: http://www.childhood.org.au). Chris é o patrono da fundação e apoia a mesma junto com outros famosos, icluindo seu irmão mais novo, Liam Hemsworth. Em entrevista recente ao Yahoo!, Chris falou mais sobre o trabalho na fundação dentre outras coisas:

– Ter se tornado um pai afetou seu trabalho com a Australian Childhood Foundation?
Chris – Sim, eu acho que dá uma perspectiva completamente diferente. E é uma motivação ainda mais ter as minhas crianças. Imaginar qualquer dano a elas me dá um senso ainda maior de urgência e necessidade de ajudar, certamente. Mas eu acho que a maior parte disso vem da minha crença de quão importante nossa infância é, e o quão prejudicial o abuso e a negligência podem ser. Isso precisa ter reconhecimento. Abuso infantil é um desses problemas que é muito difícil de falar sobre porque é rodeado por culpa, vergonha etc., mas se nós evitamos esse assunto, não ajudamos as crianças por ai que precisam de nosso apoio.

– Será que um leilão como este ajuda a incentivar seus fãs a participar também da caridade?
Chris – Definitivamente. A ideia de botar um holofote na ideia do problema que é o abuso infantil e dar à caridade uma exposição maior e simultaneamente ser capaz de conectar com os fãs e dar a eles uma oportunidade que só acontece uma vez na vida. Eu ofereço uma série de coisas com essas oportunidades.

– Qual a parte mais gratificante de conhecer um fã?
Chris – Toda vez que você tem alguém que vem e fala que ama seu trabalho e que têm muita alegria por causa dele [do trabalho], é uma experiência muito humilhante [que te traz humildade, não que te humilha]. Eu amo meu trabalho por si mesmo, mas ser capaz de conhecer pessoas assim, que de certa forma as que me mantem empregado e que me permitem correr atrás desse sonho, é muito especial.

– O que te fez querer retornar em O Caçador?
Chris – Foi uma oportunidade de fazer algo diferente com o mundo da Branca de Neve e o Caçador e seus personagens. Foi uma oportunidade de ver o personagem antes de eles virar uma alma judiada que vimos no primeiro filme. Por isso, tem mais diversão e aventura e leveza para isso, eu acho. E humor, também, coisa que não fizemos no primeiro filme. Quando a Emily Blunt, a Charlize Theron e a Jessica Chastain decidiram fazer parte dele, realmente me surpreendeu. A história dessas duas irmãs, essas duas rainhas do mal, as quais tem uma quantidade enorme de poder e ferocidade, guerreando uma contra a outra nesse mundo – Eu amei. Foi tudo muito emocionante.

– O que você aprendeu com o processo de trabalhar com essas três atrizes?
Chris – Apenas o quão diferente o estilo delas é, quão únicas e diferentes e especiais cada uma delas é. E igualmente impressionantes. Quando você trabalha com pessoas como essas, você faz umas anotações, sabe? Eu acho que é importante estar ciente do estilo diferente das pessoas e como você se adapta ou muda ou rouba a ideia delas. Mantendo em mente que é sempre importante, mas você não consegue admirar essas três damas o quanto elas merecem pela quantidade de talento que elas têm.

– Isso é intimidante?
Chris –  Claramente. Eu senti como se eu tivesse três irmãs! E que eu era o irmão mais nove que tinha que ter como experiência sua cota justa de bullying. E elas me mandariam calar a boca e me chamariam de pirralho por até dizer algo. Eu tenho dois irmãos e isso é bem mais fácil. É incrivelmente intimidador porque elas são muito mais irritadas e graciosas do que eu acho que jamais serei. Tentar acompanha-las foi um desafio, mas eu me diverti bastante. Foi uma das melhores experiências que já tive. Sabe, os filmes que eu fiz antes, eram rodeados por homens e era uma energia completamente diferente. Esse foi claramente uma mudança de ritmo.